Desenvolvimento do produto

Desenvolvimento do produto

HISTÓRIA
Monsieur HENRY JULLIEN era um caixeiro-viajante de óculos quando, em 1921, estabeleceu a sua própria empresa de fabrico e prescrição de armações, em Morez, na região do Jura, em França, berço da indústria francesa de óculos.

Em 1935, Monsieur HENRY JULLIEN transferiu o seu negócio para Lons-le-Saunier, a capital do Jura, onde permanece até hoje.
HENRY JULLIEN assina colecções originais de óculos de prestígio para homens e senhoras. Situa-se entre as raras empresas da Europa que tem mantido este design e concepção no seu local de origem.

HENRY JULLIEN é hoje reconhecido como um dos melhores fabricantes de
óculos e armações de França.

A história da marca HENRY JULLIEN, é como todas as histórias, repleta de datas importantes. Mas as duas que se destacam acima de todas as outras, são sem sombra de dúvida, as que ocorreram entre 1980 e 1993. Foi durante esses anos que duas importantes decisões foram tomadas e que moldaram o futuro a longo prazo da marca, levando-a por um novo caminho, que se tem mantido até hoje.

HENRY JULLIEN permaneceu fiel a estas duas grandes decisões, que têm guiado a estratégia da empresa desde então.
Escolha da Perfeição

Em 1980, HENRY JULLIEN decidiu continuar com o fabrico de todos as armações em ouro maciço e folheado. Esta decisão foi tomada numa altura em que o ouro sofreu um considerável aumento (quadruplicou no espaço de 3 semanas), e a maioria dos concorrentes HENRY JULLIEN abandonou por completo o fabrico com esta matéria.

Desde 1993, com a chegada das armações sem aro (grifes) que HENRY JULLIEN passou por um período de diversificação técnica e introduziu outros materiais, tais como: o aço inoxidável, sem níquel e de qualidade cirúrgica, agora utilizado no fabrico das colecções: Melrose, Promesse, Arrogance, Tac e Providence…

Tais desenvolvimentos técnicos realizados por HENRY JULLIEN, pioneiro no campo dos rimless (grifes), tornou-o num dos seus grandes especialistas. O sucesso da colecção Melrose ou Promesse são a prova disso mesmo.

Anterior Voltar Seguinte